A forma crônica da doença nem sempre é diagnosticada porque as pessoas acreditam que não há tratamento.

A sinusite, inflamação nos seios da face, que causa obstrução nasal, secreção constante, dor de cabeça e no rosto e perda de olfato é, na forma mais comum, aguda, causada por infecções virais ou bacterianas, entretanto não é raro que uma pessoa apresente esse quadro há mais de três meses, caracterizando uma rinossinusite crônica.

A maioria das pessoas acredita que não há tratamento para os sintomas e por isso acaba perdendo qualidade de vida ao tentar conviver com a situação.

Hoje, existem alternativas para melhorar ou até curar a doença. O uso de medicação anti-inflamatória por via tópica (através das narinas) é a primeira escolha para a maioria dos casos. Porém, muitas vezes, o remédio não consegue atingir os seios nasais. Para que isso seja possível, realiza-se uma cirurgia por vídeo, sem cortes externos. Na cirurgia, abrem-se as cavidades do rosto, verifica-se a presença de pólipos e eles são retirados. As cavidades abertas podem agora receber a medicação necessária.

Segundo pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da USP, 5% da população da cidade de São Paulo apresenta sinusite crônica. Ainda não é possível saber as causas exatas que podem ser desde genéticas, até causadas por infecções recorrentes, mas também é sabido que a poluição contribui para o agravamento dos quadros.

Essa foi a primeira vez que foi feito um levantamento no país e, infelizmente, não há dados sobre a incidência em outras localidades. O fato é que os pacientes tratam os sintomas de resfriados, gripes, alergias (rinites) e sinusites de forma indiferente e com isso não conseguem obter uma melhora real.

Dicas:

Se o paciente apresenta de forma constante (mais de três meses) os sintomas abaixo, deve consultar um otorrinolaringologista.
• Respirar pela boca;
• Apresentar secreção pelo nariz (de qualquer cor);
• Nariz entupido;
• Mau hálito;
• Perda do olfato.


Compartilhe nas redes sociais

Você também poderá gostar de ler...

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

As hérnias abdominais atingem entre 20% e 25% da população adulta, de acordo com a Sociedade Brasileira de Hérnia.…

Continue lendo

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Segundo um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foram registrados 625 mil novos casos de câncer no Brasil somente…

Continue lendo

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), cerca de 8% das crianças sofrem com algum tipo…

Continue lendo