Cirurgião plástico fala sobre o impacto da reconstrução mamária na qualidade de vida de mulheres submetidas à mastectomia

Ainda estamos no mês de Outubro e por isso este blog continua enfatizando a importância do OUTUBRO ROSA. Então, se você ainda não agendou seus exames para prevenção do câncer de mama, corre lá! Eu já fiz os meus!

Aliás, já falamos sobre os exames preventivos, sobre grupo de risco, prevenção, tratamentos e mastectomia. Para uma mulher, retirar uma das mamas é um processo pelo qual muitas pacientes com câncer de mama devem passar como parte do tratamento, gerando consequências negativas, como queda da autoestima, a dificuldade de se relacionar, até mesmo de se olhar no espelho, entre outros pontos.

Atualmente, a cirurgia de reconstrução mamária é direito de todas as mulheres que passaram por uma mastectomia. A Lei 9.797/99 garante às mulheres que sofrerem mutilação total ou parcial de mama, decorrente de tratamento de câncer, o direito à cirurgia plástica reconstrutiva no Sistema Único de Saúde (SUS). Já a Lei 10.223/01 garante o pagamento de cirurgia plástica reparadora pelos planos privados de saúde.

Procurando tirar todas as dúvidas a respeito deste procedimento, conversei com o doutor Denis Calazans, cirurgião plástico do Hospital Moriah em São Paulo.

Doutor Calazans, quem tem câncer de mama pode fazer reconstrução da mama após a retirada do tumor?

O avanço científico, e a detecção precoce do câncer mamário (este através da ostensiva campanha de conscientização da população, sobretudo feminina); fizeram as cirurgias do câncer de mama serem menos agressivas e/ou radicais como eram em um passado recente.

A cirurgia plástica é por si a especialidade que busca minimizar os efeitos da cirurgia do câncer mamário, devolvendo a autoestima das pacientes que enfrentaram este trauma.

A reconstrução da mama busca reestabelecer a forma e/ou simetrização das mamas.

Como é feita a cirurgia de reconstrução da mama?

São múltiplas as técnicas cirúrgicas que podem ser usadas na reconstrução das mamas. Desde uma mamoplastia simples (objetivando a simetrização das mamas), ou técnicas que necessitem de dispositivos médicos como próteses, expansores (que são artefatos que expandem a pele a fim de permitirem implantes mamários de forma mais natural).

Outras vezes, há a necessidade de mais de um tempo cirúrgico (mais de uma cirurgia) para melhora significativa do resultado. Tudo é uma questão personalíssima que deve ser avaliada caso a caso, por um médico especialista.

Doutor Denis, e quais os riscos da reconstrução da mama?

Os riscos são inerentes a qualquer tratamento cirúrgico, mas evidentemente menores quando realizados por um médico especialista (devidamente capacitado e habilitado para tanto), e em ambientes cirúrgicos que primam por excelência e segurança de pacientes.

Depois de realizada a cirurgia de reconstrução, como fica a mama?

Toda mulher que viveu o diagnóstico do câncer de mama, atravessou as tormentas do temor sobre a doença em si, seu tratamento, e como e quando sairá dele. Uma rede de multiprofissionais (mastologistas, cirurgião plástico, oncologista, psicólogos, enfermagem, fisioterapeutas, e outros), se torna o esteio de apoio destes pacientes.

A cirurgia plástica é uma especialidade médica que por vezes se confunde com uma equivocada glamourização em torno da estética exclusivamente. Mas na verdade, a cirurgia plástica é uma especialidade médica que didaticamente se subdivide em “estética e reconstrutiva”, quando na verdade, nenhum procedimento se dissocia de outro independentemente da finalidade da cirurgia. E assim é na reconstrução mamária, onde em tese se rotula como um procedimento reparador/reconstrutivo, que na verdade busca reestabelecer o quanto possível, a forma e a estética mamária.

A possibilidade de ter seio novamente, provoca um impacto positivo ao emocional da mulher. Devolve a autoconfiança, a segurança, e na medida do possível, consegue minimizar as experiências negativas que a mulher enfrentou ao longo do processo.

Compartilhe essa informação com as amigas!

Reportagem para o portal R7, publicada em 20 de outubro de 2022. Link para acesso: https://lifestyle.r7.com/prisma/como-ser-saudavel/outubro-rosa-resgate-da-autoestima-feminina-20102022


Compartilhe nas redes sociais

Você também poderá gostar de ler...

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

As hérnias abdominais atingem entre 20% e 25% da população adulta, de acordo com a Sociedade Brasileira de Hérnia.…

Continue lendo

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Segundo um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foram registrados 625 mil novos casos de câncer no Brasil somente…

Continue lendo

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), cerca de 8% das crianças sofrem com algum tipo…

Continue lendo