Conheça o Instituto de Doenças Valvares do Hospital Moriah: um centro completo com tecnologia de ponta e especialistas qualificados

Fadiga, falta de ar, desmaios e dor no peito podem ser sintomas de doenças valvares, que são as condições que afetam as valvas (ou válvulas) do coração. As válvulas são responsáveis pelos movimentos de abertura e fechamento que levam o sangue na direção correta entre as cavidades do coração e, em seguida, a cada parte do corpo. As valvopatias ou doenças valvares, são um conjunto de enfermidades causadas pelo mau funcionamento de uma ou mais valvas cardíacas.

A qualidade no cuidado de doenças valvares aumentou muito com a evolução das técnicas de reparo ou substituição valvar. A partir dessa evolução, surge o Instituto de Doenças Valvares do Hospital Moriah: um centro completo com tecnologia de ponta e especialistas qualificados.

Por Dentro do Instituto de Doenças Valvares

Sob a coordenação do cirurgião cardíaco Dr. Robinson Poffo (CRM/SP 133469), o Instituto visa ser referência nacional e internacional no cuidado dos pacientes portadores das mais diversas valvopatias e

nos seus diferentes estágios de evolução, oferecendo atendimento multidisciplinar e visão global do paciente, acolhendo-o desde o momento do diagnóstico até o cuidado pós-tratamento, seja ele intervencionista ou cirúrgico, abraçando paciente e família, sempre buscando o que realmente importa para cada indivíduo.

O Instituto é composto por cirurgiões cardíacos, cardiologistas clínicos, hemodinamicistas, ecocardiografistas, anestesistas, radiologistas, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas e fisioterapeutas treinados para tratar de forma humana e individualizada o paciente valvopata. Sempre com ações coordenadas e conjuntas, este heart team estabelece o melhor caminho para cada paciente. Confira!

Jornada do Paciente de Doenças Valvares:

  1. Sintomas: Fadiga, falta de ar, desmaios e dor no peito podem ser sintomas de doenças valvares: estenose valvar, insuficiência valvar ou dupla lesão valvar.
  1. Diagnóstico: Pode ser feito clinicamente, por meio da ausculta do coração, mas somente após exames complementares de imagem, a doença e o tipo de acometimento podem ser definidos por completo.

O exame mais comum e simples para esse diagnóstico é o ecocardiograma – um ultrassom do coração, mas outros exames podem ser solicitados, como a tomografia do coração, angiotomografia, ressonância magnética do coração e angiorressonância.

  1. Tratamento clínico: O tratamento varia de acordo com o tipo de valvopatia e grau de evolução da doença. Geralmente, inicia-se com suporte clínico mas, com o passar do tempo, pode demandar tratamento cirúrgico ou intervencionista.

O acompanhamento clínico pode ser feito com cardiologistas e/ou arritmologistas, visto que as doenças valvares podem causar alterações nos batimentos cardíacos.

Quando não tratadas, as doenças valvares podem comprometer a qualidade de vida do paciente, levando à insuficiência cardíaca progressiva (fadiga do coração).

  1. Tratamento Cirúrgico: As intervenções na válvula são recomendadas de acordo com o seu grau de deterioração. Em alguns casos, o paciente pode beneficiar-se de indicação cirúrgica precoce, antes mesmo do aparecimento de sintomas.

O tratamento cirúrgico tem como principal objetivo devolver qualidade de vida ao paciente, com a recuperação pós operatória mais curta possível, sem abrir mão do resultado a longo prazo. As principais técnicas realizadas no Hospital Moriah são as cirurgias minimamente invasiva e robótica e o tratamento percutâneo (através de punções e cateteres).

  1. Retorno às atividades

Entendemos que o portador de doença valvar precisa de um ambiente acolhedor, de carinho e dedicação para sua jornada que se inicia com o diagnóstico, passa pelo acompanhamento, tratamento e termina quando o paciente é devolvido às suas atividades de vida diária. Para saber mais sobre o assunto, clique aqui e acesse o book do Instituto de Doenças Valvares do Hospital Moriah.

Informe publicitário publicado nas edições de dezembro das revistas Fazenda Boa Vista (n.º 39) naBaroneza (nº 110). Para conferir o conteúdo na íntegra, clique aqui.  


Compartilhe nas redes sociais

Você também poderá gostar de ler...

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

As hérnias abdominais atingem entre 20% e 25% da população adulta, de acordo com a Sociedade Brasileira de Hérnia.…

Continue lendo

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Segundo um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foram registrados 625 mil novos casos de câncer no Brasil somente…

Continue lendo

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), cerca de 8% das crianças sofrem com algum tipo…

Continue lendo