Tecnologia e atenção individualizada são grandes aliadaos na hora de promover um procedimento mais seguro. A anestesia é necessária e essencial para permitir que as cirurgias sejam realizadas com controle e segurança pela equipe médica e também para proporcionar maior conforto ao paciente, evitando a dor e a ansiedade. Porém, o procedimento é considerado e apontado por muitos pacientes como um fator de insegurança na hora de passar por uma cirurgia.

A dona de casa Silvana de Souza Assis sempre relatava experiências muito negativas com as cirurgias a que foi submetida sua mãe. Segundo ela, a mãe passava muito mal após os procedimentos e atribuía sempre à anestesia geral. Também, cercada por mitos, acreditava que em uma anestesia geral era possível que alguém “não acordasse” mais.

De acordo com a médica coordenadora do Serviço de anestesia do Hospital Moriah , Dra. Diná Hatanaka, a insegurança dos pacientes está associada aos mitos que envolvem o processo anestésico. Nas últimas décadas, com o avanço tecnológico, o desenvolvimento de novas medicações e com o aprimoramento de monitores, a anestesia passou a ser um procedimento muito seguro, mesmo para pacientes mais graves e para operações mais complexas.

Em entrevista, a doutora ajudou a desmistificar e a entender melhor o processo de anestesia e como esse procedimento foi aprimorado dentro do hospital em que atua. A monitorização cuidadosa e contínua dos sinais vitais dos pacientes aumenta a segurança e deve ser mantida desde antes do paciente ser levado ao centro cirúrgico, durante o procedimento e no pós-cirúrgico, a fim de evitarmos complicações. A prevenção da hipotermia faz parte dos cuidados no Hospital Moriah, já que hoje sabe-se que a queda da temperatura durante e após a cirurgia está relacionada com o aumento de complicações após o procedimento.

Quando internado, o paciente é recebido em um quarto aquecido, orientado a realizar o banho quente, a ficar agasalhado e também já recebe todas as informações sobre a importância do aquecimento. No centro cirúrgico, o protocolo é seguido com ar condicionado adequado e manta aquecida, quando indicada (cirurgias mais longas que 3 horas). Com esse protocolo, nao tivemoao Moriah não teve casos de hipotermia em 2017. No dia anterior à cirurgia, o anestesiologista entra em contato com o paciente pelo telefone.

Essa prerrogativa do Moriah permite que o contato com o médico acalme e evite os medos relacionados à anestesia. Na ligação, o profissional conhecerá melhor o histórico do paciente. O uso de medicamentos contínuos, por exemplo, deve ser comunicado ao anestesiologista porque, em alguns casos, a suspensão dos remédios pode ser necessária para garantir a segurança durante a cirurgia. Também são abordadas as experiências em outros procedimentos, anestesias e reações alérgicas, evitando intercorrências durante a cirurgia atual.

A segurança da anestesia está, em boa parte, no cuidado individualizado, e é isso, somado a atenção e carinho dedicados desde antes da internação, que fazem toda a diferença para a experiência do paciente. Lembra da Silvana, a dona de casa que tinha medo de anestesia?Recentemente, ela foi submetida a uma operação no Hospital Moriah. “Fui surpreendida positivamente. Não senti nada, os médicos me deixaram muito tranquila e quando acordei, estava apenas sonolenta, mas me sentindo disposta”, comemora.

E quem não quer estar recuperado o quanto antes após uma cirurgia? A Dra. Diná afirma que a aceleração da alta pode ser feita com alguns cuidados essenciais essenciais, conduzidos principalmente pela equipe de anestesiologia ao conhecer o paciente antes da cirurgia. “O paciente já começa a ser cuidado e estimulado desde o centro cirúrgico, assim a recuperação é acelerada”.

Confira os principais Mitos e Verdades ligados à anestesia:

Posso acordar no meio de uma cirurgia:

MITO. É uma ocorrência rara que, com o uso de monitores e drogas adequadas, pode ser evitada. No Hospital Moriah, todos os pacientes submetidos à anestesia geral têm o grau de profundidade de anestesia monitorizado.

A anestesia geral pode levar o paciente a nunca mais acordar:

MITO. A anestesia em si não causa esse efeito. Quando administrada respeitando-se as normas de segurança, com monitores adequados, e com a técnica adequada, é esperado que ao final da cirurgia os medicamentos sejam metabolizados. Assim, no tempo esperado, o paciente desperta e retoma sua consciência.

Anestesias como raquidiana e peridural causam dores de cabeça:

MITO.Antigamente esse risco era maior nos pacientes que recebiam a anestesia raquidiana, por conta do calibre das agulhas usadas. Hoje, a incidência da dor de cabeça oucefaléia pós-raqui é muito baixa, uma vez que as agulhas utilizadas são extremamente finas. A anestesia peridural não está relacionada à dor de cabeça.


Compartilhe nas redes sociais

Você também poderá gostar de ler...

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

As hérnias abdominais atingem entre 20% e 25% da população adulta, de acordo com a Sociedade Brasileira de Hérnia.…

Continue lendo

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Segundo um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foram registrados 625 mil novos casos de câncer no Brasil somente…

Continue lendo

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), cerca de 8% das crianças sofrem com algum tipo…

Continue lendo