Problema pode significar outras doenças e não sequela da infecção e quanto mais cedo procurar médico mais fácil é recuperação

A pandemia do coronavírus fez com que as pessoas prestassem mais atenção ao olfato, um dos cinco sentidos dos seres humanos, ao lado da visão, paladar, tato e audição. Já que a perda de sentir cheiro é um dos sintomas da Covid-19 e pode seguir com o paciente, mesmo após o fim da infecção.

O otorrinolaringologista Fabrizzio Ricci Romano, vice-presidente da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e médico do Hospital Moriah, conta que a procura por consultas cresceu nos últimos dois anos.

Com a Covid, começaram a aparecer pacientes no consultório com a reclamação de falta de olfato há muito tempo. Era um sentido meio que menosprezado e agora as pessoas estão vendo como é ruim a vida sem sentir cheiro. Por um lado, a pandemia serviu para dar luz a esse problema.”

A diminuição do olfato pode estar ligada não só a Covid, como também às seguintes doenças: infecções virais, como gripe e herpes; sinusite crônica; traumas e fraturas do nariz; problemas congênitos; lesões químicas, relacionadas às profissões que lidam diariamente com substâncias químicas irritantes ou corrosivas; e até problemas tumorais, que podem ser do nariz, que impedem que o cheiro chegue até as vias olfativas, e tumores intracranianos que atrapalham dentro do cérebro a percepção do olfato.

Seja qual for o motivo da perda do sentido, a recomendação é que a busca por médico seja rápida.Teve uma perda de olfato é importante saber que isso não é normal. É necessário procurar uma ajuda médica para identificar o que está acontecendo. A rapidez do tratamento é extremamente importante“, alerta Romano.

E acrescenta: “precisamos lembrar que a pessoa perdeu um sentido. Se fosse a visão, o que ela faria? Iria na mesma hora ao médico. O olfato é um sentido tão importante quanto todos os outros e o tempo é crucial.

Na análise para descobrir as causas do problema, os pacientes passam por testes olfativos no consultório para avaliar o grau de percepção do cheiro do paciente. Geralmente, é feito o exame chamado nasofibroscopia, que é uma câmera dentro da cavidade nasal, para examinar a parte interna do nariz, incluindo a área olfatória, região com terminações nervosas que captam moléculas que estão no ar e transformam em sensação de odor.

Se necessário, são feitos exames de tomografia e ressonância magnética.

No caso de uma paciente do Hospital Moriah, de 49 anos, ela resolveu procurar um especialista após a cura da Covid-19. Foram feitas as análises iniciais e nada foi constatado. Até que ela foi encaminhada para os exames de imagens e diagnosticada com um tumor benigno na região intracraniana, chamado meningioma.

Frente a toda a questão da Covid, ela procurou o otorrinolaringologista dela, porque percebeu uma perda de olfato e não melhorava durante um bom tempo“, conta o neurologista Pedro Paulo Mariani.

O tumor era na base do cérebro, por onde passam todos os filetes olfatórios, nervos bem fininhos que saem do nariz e vão até o cérebro. Foi necessário fazer a cirurgia, já que era volumoso, com cerca de quatro centímetros.

Após a cirurgia, a mulher não teve a volta do olfato, pela demora na busca por um médico. “Os nervinhos que produzem o olfato são muito fininhos e a paciente não conseguiu recuperar o olfato“, lamenta Mariani. Mas a retirada possibilitou que nenhum outro problema acontecesse com a paciente.

O otorrinolaringologista Fabrizio Ricci conclui: “as causas mais sérias, como da paciente que atendemos, são pessoas que estão há meses com o problema e não se deram conta. Geralmente, é uma perda progressiva, não aguda. A verdade é que toda a perda de olfato merece uma investigação. Teve Covid, espera o fim do isolamento e procure ajuda. Perda de olfato tem solução, quanto antes começarem os tratamentos.

Fonte: Reportagem de Carla Canteras publicada no portal R7 em 10/02/2022. Link para acesso: https://noticias.r7.com/saude/perda-de-olfato-persistente-apos-covid-precisa-de-atencao-especial-10022022


Compartilhe nas redes sociais

Você também poderá gostar de ler...

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

Saiba qual é a relação entre hérnia abdominal e obesidade

As hérnias abdominais atingem entre 20% e 25% da população adulta, de acordo com a Sociedade Brasileira de Hérnia.…

Continue lendo

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Saiba quais podem ser os efeitos colaterais da quimioterapia

Segundo um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foram registrados 625 mil novos casos de câncer no Brasil somente…

Continue lendo

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

Saiba quais são os riscos da alergia alimentar

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), cerca de 8% das crianças sofrem com algum tipo…

Continue lendo